sábado, 3 de novembro de 2012

É que se desse pra abrir um zíper...

Sufocada. A palavra certa pro meu momento... Não só em parte pelas pessoas, mas pelas palavras, falta de momentos, pensamentos e mais pensamentos. Sufocada, a ponto de eu nem saber como transmitir em um texto, de um modo a me deixar leve. É que de tanto as pessoas apontarem meus defeitos eu reconheço claramente eles, cada um deles, bem mais que minhas qualidades. Alias se me perguntarem uma qualidade minha, não sei dizer uma, e essa é a verdade. 
Quando a gente se torna uma pessoa meio que... Dura com os outros, as pessoas parecem começar a te ver toda e total sem sentimento. Parece que cada uma deles vêem você como uma pedra que não importa a batida não se quebra... E a verdade é que nenhum ser humano consegue ser assim, e se consegue, é um pobre infeliz. Dai quando a gente leva tanto baque e continua a caminhar como se nada te fizesse mal parece ser 100x pior, só pelo fato de que as pessoas não reconhecem o quão quebrada você (suposta pedra) está e continuar "batendo". 
Eu me sufoco com tamanha solidão as vezes. Me sufoco com tamanha impaciência, com tamanha intolerância, com esse meu jeito insuportável que todo mundo e eu consigo ver claramente. E até me pergunto como tenho certas pessoas comigo nessa vida, e vejo a tamanha sorte.
Mas meu jeito insuportável tem vindo a tona muito mais do que antes, a ponto deu simplesmente não querer mais sair da cama por não querer ver ninguém.
Sufocada. Comigo. Com as pessoas. 
A verdade mesmo, é que dá vontade de abrir um zíper nas costas e trocar de corpo... Caso isso fosse possível nesse momento eu não pensaria duas vezes pra tomar tal atitude. Parece que nada nunca ta bom, e que só eu não tenho concerto... A verdade é que além de férias das coisas e pessoas eu preciso de férias de mim mesma e dos meus pensamentos. Eu até assumo que sou meio paranoica em relação a certas coisas e pessoas, mas o porque de tamanha paranoia eu também nunca entendi. Ela me deixa louca as vezes. No ato de me deixar "o mundo (e eu) me odeia" porque 1 pessoa da minha vida está trocando de posição.
E até entendo o porque das pessoas me odiarem ou quererem se distanciar. 
O que eu não entendendo é porque todo, e quando eu falo todo, é todo mundo, até aqueles que eu não converso, até aqueles que eu tenho briga, TODO ser humano exerce uma influência em mim. Por exemplo, uma pessoa que me odeia exerce a influência deu começar a achar cada defeito meu maior, e me odiar por isso. Sim, cada vez mais eu me acho paranoica com a vida.
Chega uma hora que todo o peso que a gente carrega por conta das pessoas e dessa de querer entender e se encaixar de alguma forma na sociedade, nada mais que faz sua função de PESAR. E como pesa em mim. Sou circulada de amor, sou vinculada com o amor, respiro e engulo junto com oxigênio e comida. Nunca vi mal algum nisso, até perceber que nessa sociedade de hoje ser assim é se machucar demais... Isso eu vi logo nova, e pra ser sincera acho que foi isso que me fez ser a pessoa tão insuportável que sou hoje. Eu assumo... Cada defeito meu. E se não assumo é porque realmente não sou. Só queria ser diferente, no modo de agir e pensar. Queria me trancar num quarto e ficar por meses, sinto que metade do mundo que me cerca se quer sentiria falta da "menina insuportável". Pode parecer drama e talvez em parte até seja, mas é que sinto um buraco no meu peito e ele vem aumentando. NA REALIDADE ESSE TEXTO É UMA RECLAMAÇÃO SOBRE MIM. Esse texto sou eu, reclamando de mim mesma. PORQUE EU NÃO ME SUPORTO MAIS. Mas agradeço ao mesmo tempo, por ter uma pessoa maravilhosa do meu lado que apesar de me trazer medos e insegurança temos a historia mais bonita que eu já tive, por ter certos amigos do meu lado que apesar do meu jeito insuportável nunca me renunciou. 
Só estou... Sufocada. Por mim. Por meus pensamentos e pelas pessoas. Me da uma imensa vontade de chorar por 3 meses sem motivo (e quando eu digo motivo, eu digo daqueles pelo qual vale a pena chorar).
E eu ainda to com saudades. De pessoas inteligentes e de conversas que fazem o mundo girar. Eu to com saudades de contar com algumas pessoas como eu contava antes.
Caraca, meu jesus, tudo isso faz parte do nosso processo de crescimento? Todo mundo passa por isso? Me assusta pensar em tamanho fardo comigo mesma. Não que nada esteja bom, mas são nessas exatas horas que me encontro comigo mesma que sinto tudo isso a tona. 8 ou 80. E me doí, doí não ter quem eu queria do meu lado, aquele amigo e amiga. Doí por hora estar longe da pessoa que tem que trazido paz e "tormento". Doí sentir tamanha solidão. Oh céus que texto horrível e triste. Dá pra acreditar que eu to assim? Porque? Não me permito...
Sou paranoica, louca, insuportável, chata, irritante, sufocante... Sufocada.
E na verdade eu quero férias mesmo, de mim também. Eu preciso de férias do mundo. Tem como?

2 comentários:

  1. Há dias em que viver é um complicado rito. E qualquer dizer, um angustiado grito.
    GK

    ResponderExcluir